3.1.10

Todo aquele que abre um livro entra numa nuvem

Todo aquele que abre um livro entra numa nuvem
ou para beber a água de um espelho
ou para se embriagar como um pássaro ingénuo
A sôfrega retina
vai-se tornando felina e inflada
e os seus liames tremem entre o júbilo e a agonia
Um livro é redondo como uma serpente enrolada
e formado de fragmentos onde lateja o sangue de um pulso
que já não é de um autor que nunca o foi
e que será sempre o ritmo do que está a nascer
irrigando o nada e os terraços sobre os abismos
Nunca o livro se completa embora o redondo o circunde
e o mova para o seu interior sem nunca o envolver
Jamais a nuvem se dissipa mesmo quando a claridade ofusca
Como se fosse preciso adormecer nela como sobre os ombros do mundo
para acompanhar o seu fluxo ingénuamente novo
com os delicados diademas de fogo e espuma
O livro ora é de veludo ora de bronze
e os seus traços abrem janelas ou terraços
sobre o corpo latente como um arbusto entre as pedras
Se a palavra vibra com um meteoro ou desliza como uma anémona
ou não é mais do que uma estrela de areia
a sua proa sulca o incessante intervalo
entre o ardor de incompletos liames
e a estátua aérea que se eleva à sua frente
e continuamente se forma e se deforma
por não ser nada e ser o alvo puro
de um movimento ingénuo sonâmbulo e incerto

2 comentários:

Poétesse disse...

Lindo este blog ainda que discreto. Grande, grande senhor da poesia Lusa que admiro e respeito!! Ai estes poemas que me devoram o ventre e me dançam na mente! Voltarei aqui, se me permitir, sempre que me seja urgente respirar!

Um abraço

evandro mezadri disse...

Belíssima poesia, muito inspiradora e comovente.
Grande abraço e sucesso!

fotografia e selecção de poemas de João Silva