24.8.08

Para que uma só coisa

Para que uma só coisa
vibre
na sua presença nua
para além da conjunção dos possíveis


é preciso que o silêncio a dispa
e o seu nome seja o seu próprio pudor

Sem comentários:

fotografia e selecção de poemas de João Silva