27.3.08

Em qualquer parte um homem

Em qualquer parte um homem
discretamente morre.

Ergeu uma flor.
Levantou uma cidade.

Enquanto o sol perdura
ou uma nuvem passa
surge uma nova imagem.

Em qualquer parte um homem
abre o seu punho e ri.

Sem comentários:

fotografia e selecção de poemas de João Silva